seashore1.jpgseashore2.jpg

Quando o assunto é...

Quando o assunto é...

 

Muitos jovens vivem hoje uma vida sexual desenfreada! Já não esperam mais pelo casamento! Querem apenas curtir os momentos, praticam o sexo a “torto e direito”! E quando algum jovem fala em sexo após o casamento, castidade... Ah! Esse jovem é visto como um louco, “um atrasado”, perante os outros jovens que praticam o ato sexual apenas por prazer.

Hoje, a indústria pornográfica cresce de maneira gigantesca, e se antes, os jovens já procuravam pornografias em revistas e DVD’s, hoje, com o avanço da internet, e com milhares de sites pornôs disponíveis, a juventude cada vez mais vai se perdendo, vai trocando as coisas santas, pelos prazeres da carne, pelos filmes e fotos eróticas.

Dia das Mães... Você sabia?

O Dia das Mães já existia na Antigüidade. O Oriente festejava a deusa Rea, mãe de todos os deuses e deusas, enquanto no Ocidente as honras eram prestadas à deusa-mãe Cibele. Em 250 a.C., essas festividades duravam três dias, de 15 a 18 de março. Depois, com o advento da Paixão de Cristo, propagou-se a veneração a Maria, a Mãe de Jesus Cristo. Assim, desapareceram as antigas celebrações pagãs para darem lugar ao hábito de as pessoas visitarem a igreja no dia do batismo de Jesus, acompanhadas de sua mãe.

Em 1600, na Inglaterra, durante a Quaresma, os aprendizes e operários que trabalhavam longe, de casa retornavam ao lar levando para as mães pequenos presentes. Depois, iam com elas à missa especial do Dia da Mãe de Nazaré. Ao longo dos tempos, essa celebração da Mãe de Nazaré começou a unir ainda mais as famílias, que passaram também a homenagear as suas mães. Surgiu, assim, o Dia das Mães, mesclando de vez a festividade religiosa com a leiga. Depois as famílias se reuniam, no tradicional chá das cinco, para comer o "bolo da mamãe", cuja receita foi criada só para esse dia.

Em 1872, Julia Ward Howe, autora do "Hino da República" americano, organizou e manteve, por muito tempo, um Dia das Mães dedicado à paz.

Em 1914, Anna Jarvis conseguiu que o presidente Wilson decretasse oficialmente o Dia das Mães como um feriado nacional, fixando a festa no segundo domingo de maio de cada ano. Sua mãe, Anna Reeves Jarvis, falecida em maio de 1905, sempre sonhara com um feriado para homenagear as mães. Anna Jurou conseguir o que a mãe tanto almejara. Em sua Lápide, lê-se: "Fundadora do Dia das Mães, em 1908. Data proclamada por Wooddrou Wilson em 1914".

No Brasil, o Dia das Mães é celebrado no segundo domingo de maio, conforme o decreto no 21.366, de 5/5/1932, assinado pelo presidente Getúlio Vargas, "em comemoração aos sentimentos e virtudes que o amor materno concorre para despertar e desenvolver no coração humano, contribuindo para seu aperfeiçoamento no sentido da bondade e da solidariedade humana".

A confiança é a base!

 

Existe uma coisa que é fundamental em todas as relações humanas! Seja na relação com amigos, com namorado, com os pais, com todos em sua volta!

Na bíblia, encontramos diversas passagens em que a confiança é colocada à prova! São diversas passagens onde as pessoas tiveram que demonstrar que realmente acreditavam e confiavam em Deus!

Naquele dia, Ló perdeu praticamente tudo. Os noivos de suas filhas não acreditaram nos anjos de Deus, e ficaram na cidade condenada (19:14). A mulher de Ló, em desobediência aos mensageiros de Deus, olhou para trás e se tornou numa estátua de sal (19:17,26).

Eu sou um Judas Iscariotes?

Eu sou um Judas Iscariotes?

Ora, você já se perguntou se é um Judas? Seria interessante parar e pensar a respeito disto! Pois, nós em muitos momentos trocamos Jesus por várias outras coisas! Em Mateus 26:15, Judas disse “Que quereis dar-me e eu vo-lo entregarei.”

E nós infelizmente repetimos esta frase várias vezes... Não com as mesmas palavras, mas com a mesma idéia! Trocamos Jesus por uma festa, trocamos Jesus por um(a) namorado(a), trocamos Cristo por bebedeiras, trocamos Cristo por imoralidades...

É... Naquele tempo, Judas o trocou por 30 moedas de prata, depois se arrependeu de ter feito aquilo e enforcou-se. Mas e eu? E você? Arrependemos-nos de trocar Jesus por tantas coisas? Ou fingimos estar arrependidos? Ora, se dizemos que estamos arrependidos, e na primeira oportunidade tornamos a trocar Jesus por futilidades, nós com certeza não estamos realmente arrependidos, estamos no máximo com o peso da culpa...

Temos que nos arrependermos de coração! Não adianta confessar-se com o padre, se enquanto está confessando seus pecados, você já está pensando em praticá-los de novo! E assim o faz imediatamente ao sair do confessionário! Ora, que arrependimento foi este? Não foi arrependimento de coração! Garanto!

O que podemos fazer para não sermos Judas? Bom... Podemos orar, orar e orar! Nada melhor que oração e leitura bíblica! É nos isolarmos por alguns minutos, e meditarmos a palavra de Deus! É pedirmos ao Pai, que Ele possa guiar nosso coração, que Ele possa nos dar forças para não cair nas tentações! É pedir a proteção da Virgem Maria, é pedir que ela tome a frente nas nossas batalhas diárias e nos conduza sempre pelo bom caminho.

Para que a cada novo dia, nós possamos ir deixando de trocar Jesus, que nós possamos fazer justamente o contrário de Judas e, ao invés de trocar Cristo por outras coisas, que nós troquemos todas as coisas por nosso Senhor Jesus Cristo.

 

Josemar do Nascimento

(Ministro de Música do GJSE)

7/7/2010